Skip to content
Biografia Resumida

Arquitetura Gótica

O estilo da arquitetura gótica chama atenção de turistas que chegam fazer filas de espera para ter acesso aos monumentos.

Por conta de estarem presentes na maioria das catedrais da igreja católica, a estética gótica também é conhecida por “arte das catedrais”.

Inclusive, o monumento mais conhecido do mundo que carrega as características da arquitetura gótica é a Catedral de Notre-Dame de Paris.

Catedral de Notre-Dame de Paris

O que é Arquitetura Gótica

A arquitetura gótica é basicamente uma estética arquitetônica urbana que é considerada a evolução da chamada arquitetura românica e que veio antes da arquitetura renascentista.

“Gótico” é uma expressão que surgiu na Europa entre os séculos XVII e XVIII.

Ou seja, o termo nasce durante o iluminismo que se caracteriza por ser um movimento intelectual e filosófico que recusou as influências de teorias políticas e religiosas tradicionais.

Na época, a palavra “gótico” era utilizado como uma espécie de ofensa estilística.

Para os pensadores, intelectuais, escritores, críticos e artistas do iluminismo a arte e estética gótica era considerada bárbara, apenas por conta de sua origem ser do período medieval da Europa.

Logo é possível dizer que por um bom período da história, a expressão “gótica” foi utilizada como forma de insulto e preconceito.

Como surgiu

A arquitetura gótica surgiu na França no século X, especialmente entre os anos de 1050 e 1100. Esse período também é chamado de início da idade média.

O estilo gótico expressa, basicamente, o temor, o pânico e o medo da população francesa.

A população francesa estava com receio de ver o seu país invadido, uma vez que estava ameaçado por conta de uma crise econômica e política do feudalismo.

O feudalismo é uma espécie de sistema político, econômico e de controle social que se baseia na servidão e submissão da população.

Com isso, sobrou para as pessoas procurarem abrigo nos raros e arriscados edifícios que ainda existiam na França.

Nesse período, foram construídas esculturas que transmitiam o medo da população que ainda estava morando na cidade francesa.

Ou seja, nasce as primeiras expressões da arquitetura e arte gótica que, na época, foi chamada de “Obra Francesa” que também é conhecida de “Opus Francigenum”.

Desde então, a arquitetura gótica começa ser dominante no período da idade média na Europa, principalmente na França que é apreciada como o berço desse estilo arquitetônico que surgiu como expressão de um povo que estava fragilizado com o declínio do sistema político, econômico e social atual.

Fases da Arquitetura Gótica

A estética gótica arquitetônica urbana predominou na Europa, especialmente na França, por mais de 200 anos.

Logo é possível interpretar que o estilo arquitetônico esteve presente por quase todo período da idade média.

Nesse período, a arquitetura de estilo gótico sofreu mudanças e transformações que eram impulsionadas pela força do cenário político, social e econômico da época.

Com isso, em 200 anos, o estilo arquitetônico gótico teve quatro fases que contribuíram para sobrevivência da estética até os dias atuais. As principais fases da arquitetura gótica são:

  • Gótico Primitivo que começou no século X, entre os anos de 1130 a 1200;
  • Gótico Clássico com início no final do século XII até a metade do século XIII, especificamente entre os anos de 1190 a 1240;
  • Gótico Rayonnant (Gótico Radiante) que predominou entre os anos de 1240 a 1370;
  • Gótico Flamboyant (Gótico Flamejante) com duração entre os anos de 1350 a 1450, durante na segunda metade do século XIV.

A arquitetura de estética gótica chamada de primitivo foi ser consolidada na metade do século XII, com a construção de novas catedrais, mosteiros e basílicas religiosas.

As novas construções representavam a força, fé e poder da nova dinastia de reis que havia dominado o norte da França por conta da crise econômica, social e política.

O gótico clássico foi o período em que a estética urbana melancólica começou a se espalhar para outras cidades da França.

Antes o gótico estava presente apenas nos monumentos da Região Parisiense que no período da idade média era conhecida por Ìle-de-France ou Ilha de França.

Ou seja, a nova dinastia de reis que estava administrando o norte da França conseguiu influenciar outras cidades próximas de suas províncias.

A estética do categorizado como Gótico Rayonnant leva esse nome devido os arquitetos da época começarem a usar e abusar dos vitrais.

Na fase do gótico radiante foi utilizado menos alvenarias na estrutura de capelas e catedrais. O que aprimorou as características e traços do estilo arquitetônico.

Já na última fase da arquitetura gótica, conhecida por Flamboyant, as linhas, traços e as composições arquiteturais urbanas foram levantados de forma mais exuberante.

Nessa fase, havia uma espécie de concorrência social e econômica entre os burgueses da idade média.

A nobreza competia para erguer igrejas e catedrais cada vez mais sofisticadas e chamativas para no final eleger quem possuía mais força e poder.

Principais características

Hoje a arquitetura gótica, construída entre os séculos XII e XIV, são consideradas um Patrimônio Mundial da Unesco, devido o valor histórico que carregam as estruturas que ainda estão erguidas e preservadas.

As características do estilo gótico arquitetônico urbano são de fácil identificação, uma vez que transmite a mensagem de tristeza e temor, sua principal inspiração.

De forma geral, a estética gótica nos monumentos possuem as mesmas características e elementos, mesmo nas diferentes fases do estilo.

Os edifícios majestosos com traços góticos possuem arcos chamados de ogiva, abóbada em cruzaria e arcobotante.

Para trazer luz ao ambiente das catedrais, igrejas e mosteiros religiosos da igreja católica, eram utilizados extensos vitrais.

O que trazia a luz solar e também reforçava a tristeza e o temor do início da idade média.

Os edifícios eram extremamente altos e transmitiam uma aparência leve, mas donas de uma estrutura considerada forte.

Além disso, nas escadarias ou na fachada dos monumentos ficavam instaladas estátuas que buscavam ser realistas.

As estátuas representavam as histórias bíblicas e, geralmente, estavam sobre os portais das catedrais, igrejas, palácios e mosteiros.

Para você conseguir identificar um monumento com as referencias góticas, veja os detalhes das principais características:

  • Ogiva: são arcos de volta quebrados que eram decorados com esculturas realistas;
  • Abóboda: é um conjunto de arcos que são amparados por colunas;
  • Arcobotante: um arco erguido na parte exterior para repartir o peso e as colunas;
  • Vitrais: são vidros coloridos que possuíam o tema religioso. Os vitrais deixavam o ambiente claro durante o dia;
  • Arcadas: é uma sequência de arcos amparados por colunas. Eles ficam nas fachadas ou nas divisões entre os jardins;
  • Rosácea: é uma espécie de flor decorativa que é preenchida com vitrais;
  • Gárgulas: são estátuas de monstros que eram instalados nas calhas dos telhados;
  • Florão: é uma representação de uma flor de pedra que é instalado fora dos edifícios.

Exemplos de obras

Hoje a construção mais famosa da arquitetura gótica é a Catedral de Notre-Dame de Paris que começou ser levantada entre os anos de 1163 a 1345, localizada no centro de Paris, em uma ilha no meio do rio Sena.

Catedral de Notre-Dame de Paris

Construída durante o reinado francês de Luís VII, é o ponto turístico que recebe mais de 13 milhões de visitantes ao ano, superando a famosa Torre Eiffel.

 

Em 15 de abril de 2019, a Catedral de Notre-Dame de Paris sofreu um incêndio que teve início no telhado que estava sobre reforma.

O incêndio foi causado por falha elétrica e conseguiu destruir todo o monumento histórico.

Logo após o incêndio, o governo da França organizou uma campanha de arrecadação para restaurar a catedral mais famosa do mundo.

As doações foram milionárias e o prazo estabelecido da restauração é de cinco anos.

Outro exemplo de obra da arquitetura gótica é a Catedral de Colônia, localizado na Alemanha, às margens do rio Reno.

Catedral de Colônia

A construção gótica foi erguida entre os anos de 1164 a 1880 por conta do imperador alemão, Frederico Barba Ruiva.

O imperador saqueou a cidade de Milão, na Itália, e levou os restos mortais dos Três Reis Magos para cidade chamada de Colônia.

Os restos mortais obrigaram os alemães a construir uma catedral na medida em que a cidade de Colônia se transformou em ponto turístico religioso.

A Catedral de Colônia é considerada a quinta igreja mais alta do mundo e também é premiada com o título de patrimônio da humanidade desde 1996.

Também existe a Catedral de Milão que foi construída na região central da cidade de Milão, na Itália, entre os anos de 1386 a 1813.

Catedral de Milão

O estilo da catedral na cidade de Milão é o gótico flamejante (flamboyant). Ela é admirada por ser um monumento complexo e que demorou ser concluído.

Já a Catedral de York foi erguida na cidade de York, na Inglaterra, durante no ano de 630.

Catedral de York

Ela é igreja mais antiga do estilo gótico, passando por diversos períodos históricos da humanidade.

Inclusive, a catedral da Inglaterra foi destruída, reconstruída e reformada diversas vezes ao longo de sua existência por conta de incêndios acidentais e até criminosos.

No início da sua construção, a Catedral de York foi feita de madeira. Depois de algumas reformas, foi reconstruída em pedra e hoje é sustentada por calcário.