Skip to content
Biografia Resumida

Biografia de Sérgio Buarque de Holanda

Sérgio Buarque de Holanda foi um historiador, jornalista e professor nascido em São Paulo no dia 11 de julho de 1902.

Seus pais foram o Farmacêutico Cristóvão Buarque de Holanda e a dona de casa Heloísa Gonçalves Moreira Buarque de Holanda. Seu pai lecionou Botânica e foi um dos fundadores da Escola de Farmácia e Odontologia de São Paulo.

Sérgio era amigo pessoal de nomes como Mário de Andrade e Oswald de Andrade.

Quem foi Sérgio Buarque de Holanda

Sérgio Buarque iniciou seus estudos na Escola Caetano de Campos e depois no Ginásio São Bento.

Em 1921, ele se muda para o Rio de Janeiro, tendo atuação direta no Movimento Modernista.

Em 1925 ele se forma no curso de Direito na Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil, que hoje é a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Depois de formado, ele vai morar em Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, onde foi promotor e diretor do jornal O Progresso.

Em 1926, juntamente com Prudente de Morais Neto, ele funda a revista Estética.

No ano seguinte retorna ao Rio de Janeiro para ser colunista do Jornal do Brasil.

Entre os anos de 1929 e 1930 ele segue rumo à Alemanha, para ser correspondente dos Diários Associados em Berlim. Lá ele foi responsável por uma seção na Língua Portuguesa da revista “Brasilianische Rundschau”.

Foi na Alemanha que ele conheceu a obra de Max Weber e viu o nazismo nascer.

Em 1936, já de volta ao Brasil, ele passa a lecionar a disciplina de História Moderna e Contemporânea, na Universidade do Rio de Janeiro. Foi nessa época que ele escreveu a sua mais importante obra: Raízes do Brasil, onde fez uma revisão completa de toda a história do Brasil, sob um ponto de vista social e político.

Após escrever Raízes do Brasil, ele se torna um dos diretores do Instituto Nacional do Livro.

Em 1941 ele se muda para os Estados Unidos, onde passou a lecionar em diversas Universidades. Seu novo retorno ao Brasil se deu em 1946, agora para ser diretor do Museu Paulista, substituindo seu também amigo Afonso Taunay.

Em 1947 ele se filiou ao partido socialista.

Sua nova mudança para o exterior acontece em 1953, quando ele passa a morar em Roma, na Itália.

Em 1957 acontece seu novo retorno ao Brasil, dessa vez para publicar outra importante obra: “Caminhos e Fronteiras”. Após este lançamento, ele recebeu o Prêmio Edgard Cavalheiro, cedido pelo Instituto Nacional do Livro.

Em 1958 ele presta concurso público e se torna professor de História da Civilização Brasileira, na USP. Neste mesmo ano, ele entra para a Academia Paulista de Letras.

Em 1962, torna-se o primeiro diretor do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP.

Até que, em 1963, se dá o novo regresso aos Estados Unidos. De 1963 a 1967 ele volta a lecionar no país. Neste período, ele ainda deu aulas no Chile.

Sua aposentadoria aconteceu em 1969. Neste ano, vários professores da USP foram afastados, em decorrência de suas atividades pelo AI-5. Entre eles, o ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso. Como forma de protesto a estas cassações, Sérgio Buarque de Holanda, que tinha grande reputação dentro da Universidade, resolve também se aposentar.

No ano de 1980 ele ainda recebeu os prêmios Juca Pato, da União Brasileira de Escritores e o Prêmio Jabuti de Literatura, da Câmara Brasileira do Livro.

Neste mesmo ano, juntamente com sua esposa e outros companheiros, ele funda o Partido dos Trabalhadores (PT). Inclusive, de acordo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa foi a primeira pessoa a contribuir com a campanha eleitoral de 1989, quando ela deu o cheque de sua pensão de viúva de Sérgio Buarque.

Principais obras

Sua obra mais importante foi o clássico Raízes do Brasil, escrita em 1936. O livro teve importância tão grande para a história do Brasil que foi traduzido em diversas línguas, como italiano, espanhol, japonês, alemão e francês.

Mas esta não foi sua única obra. Outros livros que merecem destaque são:

  • Cobra de Vidro, escrito em 1944;
  • Monções, escrito em 1945;
  • Expansão Paulista em Fins do Século XVI e Princípio do Século XVII, de 1948;
  • Caminhos e Fronteiras, escrito em 1957;
  • Visão do Paraíso, escrito em 1959;
  • Do Império à República, escrito em 1972;
  • Tentativas de Mitologia, escrito em 1979;
  • O Extremo Oeste, livro publicado em 1986, 4 anos após o falecimento de Sérgio Buarque de Holanda. Esta foi a obra que o historiador deixou inacabada, e coube ao seu discípulo e amigo José Sebastião Witter realizar a publicação.

Seu casamento

Sérgio Buarque de Holanda foi casado com Maria Amélia de Carvalho Cesário Alvim  e com ela teve os seguintes filhos: Chico Buarque de Holanda, Cristina Buarque e Heloísa Maria, mais conhecida como Miúcha.

Como Sérgio Buarque de Holanda morreu?

Sérgio Buarque de Holanda faleceu em São Paulo, no dia 24 de abril de 1982, vítima de câncer no pulmão.

A casa onde ele morou foi transformada no Museu da Música Brasileira.

Frases de Sérgio B. de Holanda

Veja algumas das principais frases deste personagem muito importante na história do Brasil:

  • “A inimizade pode ser tão cordial quanto a amizade.”
  • “A rotina e não a razão abstrata foi o princípio que norteou os portugueses, nesta como em tantas outras expressões de sua atividade colonizadora. Preferiam agir por experiências sucessivas, nem sempre coordenadas umas às outras, a traçar de antemão um plano para segui-lo até o fim.”
  • “Para estudar o passado de um povo, de uma instituição, de uma classe, não basta aceitar ao pé da letra tudo quanto nos deixou a simples tradição escrita. É preciso fazer falar a multidão imensa dos figurantes mudos que enchem o panorama da história e são muitas vezes mais interessantes e mais importantes do que os outros, os que apenas escrevem a história.”

Gostou da biografia resumida de Sérgio Buarque de Holanda? Então compartilha o conteúdo com seus amigos nas redes sociais e deixa seu comentário abaixo!

Biografia de Sérgio Buarque de Holanda
5 (100%) 13 vote[s]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *