Biografia de Gregor Mendel

É impossível falarmos sobre a Genética e não citarmos Gregor Mendel. Nascido em 1822, na Áustria. Ele foi um monge, biólogo e botânico que desde cedo já despontava traços de dedicação aos estudos.

A evolução da Genética como uma ciência começou a se desenvolver de verdade após os seus estudos que começaram assim a nortear o que hoje se conhece como a hereditariedade.

Quem foi Gregor Mendel

Gregor Mendel era filho de camponeses, e desde cedo era notável o seu apreço por plantas bem como sobre a vida religiosa. Aos 21 anos de idade, Gregor Mendel entrou para o Mosteiro Agostiniano de São Tomás passando a ser monge e estudando cada vez mais sobre a área teológica.

Gregor Mendel era encarregado de cuidar dos jardins dos mosteiros o que fez relembrar de sua infância, em que tanto gostava de estudar e admirar as plantas. Entre o período de 1843 e 1854 se tornou professor de ciências naturais na escola superior de Brno.

Foi nessa época em que Gregor Mendel dava os primeiros passos com relação aos seus experimentos científicos realizando alguns cruzamentos de plantas, dentre essas, as ervilhas tiveram bastante destaque pelos seus resultados. Esses seus estudos duraram cerca de sete anos.

Morte de Mendel

O fim da vida de Gregor Mendel se deu em 06 de janeiro de 1884, no que conhecemos hoje como República Checa. A causa da morte foi uma doença renal crônica. A importância de Mendel é grandiosa, pois cientificamente foi a partir de seus primeiros experimentos que a Genética começou a ser decifrada.

Leis de Mendel

Mendel é considerado o pai da Genética principalmente pelas Leis que ele descobriu e estabeleceu. É impossível saber sobre genética sem que as leis de Mendel sejam citadas. Ele dividiu seus principais resultados dos estudos em três leis. Vejamos a seguir cada uma.

Primeira lei de Mendel

Conhecida como o princípio da segregação dos fatores ou como lei da segregação, a sua lei é dada como: Cada característica é determinada por dois fatores (pares) que se separam na formação dos gametas, indo apenas um fator para cada gameta.

Mendel realizou cruzamentos de ervilhas, essa opção de vegetal se deu por alguns fatores:

  • Capacidade de reprodução rápida.
  • Facilidade em seu cultivo.
  • Grande produção de sementes.
  • Cruzamento das ervilhas

Mendel cruzou uma geração de ervilhas puras com flores púrpuras e ervilhas puras com flores brancas, o resultado desse cruzamento ocasionou no surgimento da geração F1, com 100% das ervilhas com flores púrpuras.

O que o fez questionar ao fator que determinava a cor branca das ervilhas, para isso realizou fecundação entre as plantas da geração F1, e então nesse experimento a ocorrência de flores brancas aconteceu em um parâmetro de 75% de flores púrpuras e 25% de flores brancas.

  • Conclusões de Mendel

Podemos elencar alguns pontos que foram analisados por Mendel após os resultados de suas experiências, como:

  • Há a ocorrência de fatores dominantes e fatores recessivos passados de uma geração para a outra. A cor púrpura seria o dominante, pois 75% dos indivíduos se expressaram com essa característica, a cor branca seria o recessivo onde 25% das flores expressaram essa característica.
  • Alguns fatores determinam uma característica específica, como um determinado fator estava diretamente ligado a coloração das flores das ervilhas.
  • Cada organismo novo herda dois fatores (o que hoje conhecemos como alelos) um de vem do pai e outro que vem da mãe. A geração F1 possuía fatores tanto de ervilhas com flores brancas quanto de ervilhas com flores púrpuras.

Segunda lei de Mendel

Mendel permaneceu evoluindo com os seus estudos que envolviam as descobertas dos princípios da genética. A segunda lei de Mendel também é conhecida como Lei da segregação independente.

A ideia é de que cada par de alelos se separa (segrega-se) de forma independente de outros pares de alelos no momento de formação dos gametas.

  • Experimentos de Mendel

O cruzamento das ervilhas tinha por resultado ervilhas de cores e formatos diferentes, podendo ser amarela ou verde, lisa ou rugosa. Ao cruzar os indivíduos entre si conseguia os seguintes resultados:

V= amarela               v= verde                    R= liso                       r= rugoso

Geração parental: VVRR x vvrr

Geração F1: VvRr

Geração F2: Seria a proporção de 9;3;3;1

A cor amarela é dominante em relação a cor verde, bem como a aparência lisa é dominante com relação ao formato rugoso. Nesse caso, haveria 16 tipos de combinações possíveis e diferentes.

Terceira lei de Mendel

Mendel ainda possui uma terceira Lei, conhecida também como Lei da dominância. A ideia dessa Lei é de que os descendentes híbridos apresentam sempre uma característica de dominância, pois sempre o fenótipo e genótipo do gene dominante irá se expressar e não o gene recessivo.

Reconhecimento e obras de Gregor Mendel

Infelizmente assim como grandes mentes da nossa história, Mendel não teve o devido reconhecimento durante a sua vida, tendo seus estudos ignorados pela comunidade científica até o século XX.

No entanto, após alguns estudos independentes realizados por botânicos começaram a ratificar os resultados das experiências de Mendel. Mendel publicou duas obras importantes:

  • Em 1865: Experiências sobre híbridos das plantas.
  • Em 1869: Alguns híbridos do Hieracium obtidos por fecundação artificial.

Genética antes de Gregor Mendel

Apesar de Gregor Mendel ser o nome mais conhecido na Genética, alguns outros antes dele podem ser citados. Hipócrates, filósofo grego, procurava explicar as heranças herdadas de pais para filhos.

Assim surgia a Pangênese, que de acordo com ela, cada órgão do organismo humano produziria uma gêmula, que por meio do sêmen fazia com que o novo ser tivesse características semelhantes aos do pai.

Após muitos anos Aristóteles levantou a hipótese de tanto o pai (por meio do sêmen) quanto a mãe (por meio do ciclo menstrual) eram responsáveis por transmitir as características ao novo ser.

Ao chegar no século XIX foi possível por meio do avanço da microscopia entender que tanto o espermatozoide como o óvulo se fundiam para gerar um novo ser vivo.

Importância da genética

É incrível como a genética possui grande importância para várias áreas da vida, como por exemplo, é por meio dela que é possível compreender grande parte da evolução dos seres vivos.

A área médica também sofreu grande revolução por meio da genética, com o mapeamento e aconselhamento genético, produção de novos medicamentos. Na área científica a genética molecular estuda a forma estrutural e funcional dos genes com o auxílio da biologia molecular.

Na área de genética forense é possível desvendar muitos crimes ou dúvidas por meio dessa nova área. Um exemplo claro para esclarecer dúvidas é o exame de
DNA para confirmar ou não a paternidade por meio da análise dos genes.

Transgênicos e a genética

Muito se cometa hoje em dia sobre a atividade de alimentos transgênicos, não é mesmo? Isso ocorre porque tanto para a agricultura como para a pecuária o conhecimento da genética ajuda no melhoramento das espécies.

Apesar de existirem divergências entre a comunidade científica e o surgimento dos alimentos transgênicos, sabe-se que em teoria, a busca de melhoria na alimentação por meio dos transgênicos é algo que só foi possível graças aos estudos da Genética.

Posts recentes