Acidente de Chernobyl

O acidente na usina nuclear de Chernobyl dizimou diversas vidas por mais de 30 anos e até hoje não se sabe o número exato de mortos. Foi um exemplo clássico de falta de conhecimento e paciência do homem deixando um rastro de destruição da vida e da natureza.

Descubra nesse artigo tudo o que ocorreu no acidente de Chernobyl e até mesmo os últimos minutos antes da catastrófica explosão radioativa.

O que foi o acidente de Chernobyl

O acidente ocorreu na usina nuclear de Chernobyl que fica perto da cidade de Pirpyat que por sinal é hoje uma cidade fantasma devido aos altos níveis de radiação que foram lançados no acidente de Chernobyl.

As imagens atuais de Pripyat são impressionantes pois uma cidade com toda sua infraestrutura foi evacuada e deixou que a vegetação tomasse conta.

O acidente de Chernobyl ocorreu na Ucrânia Soviética bem próximo da fronteira com a Bielorrússia. A equipe técnica iria realizar testes de segurança mas no fim não obteve sucesso, causando um acidente gigantesco com a explosão da usina.

Então diversos foram os mortos e as sequelas que o acidente de Chernobyl deixou na população local. Assim tanto cidadãos como animais, policias e bombeiros sofreram e sofrem com os altos níveis de radiação.

Resumo do acidente de Chernobyl

O projeto de segurança na usina número 4 de Chernobyl era a simulação de um acidente. Porém, mau desconfiaram que uma falha humana poderia fazer um corriqueiro teste se transformar em uma gigantesca catástrofe.

Desde sempre, teste e projeções são necessárias para evitar e prevenir grandes construções a possuírem erros. Então no dia 25 para 26 de Abril de 1986 foi realizado um teste na usina para simular a falta de energia da estação de fornecimento.

Era madrugada, então é muito provável que a população dormia e muito nem conseguiram compreender o que ocorria. Assim os sistemas de segurança da usina foram intencionalmente desligados.

Porém não foi só a falta de energia na usina que ocorreu, outras falhas ocorreram no sistema de emergência e regulagem de energia. As falhas atingiram o reator nuclear, além disso, os trabalhadores erraram processos de verificação do núcleo.

Assim foram causadas condições para reações descontroladas no núcleo causando um superaquecimento. Esse núcleo que possuía um sistema de resfriamento por água acabou aquecendo muito a água e sublimando.

O processo de sublimação consiste em transformar a água no estado liquido para o gasoso. Então o vapor causado pela água superaquecida criou muita pressão causando uma grande explosão. Essa explosão foi extremamente destrutiva.

Depois da explosão o calor que estava por baixo do sistema de resfriamento se espalhou e criou um grande incêndio. Assim ocorreu uma nova explosão despejando no ar uma grande quantidade de grafite.

A tragédia não só destruiu completamente a vida da região mas espalhou por diversos lugares resíduos através dos ventos e da chuva. A pulação teve que abandonar o local e esse sobrevivente ficaram com sérias sequelas.

Casos de câncer foram os mais comuns registrados entre os sobreviventes, tudo por causa do excesso de radiação.

Causas do acidente

Foi no ano de 1986 que um dos mais graves acidentes com energia nuclear ocorreu no planeta. O acidente de Chernobyl na verdade era um teste de segurança que acabou ocorrendo errado.

A programação dos operadores era de que no dia 25 de abril de 86 a unidade número quatro do reator nuclear fosse desligada para manutenções de rotina. Porém a equipe decidiu utilizar desse momento para um novo teste, o de gerar energia própria para se manter funcionando.

Então como ela gerava energia, o desligamento da força externa era o momento para que se pudesse saber se ela teria condições de gerar sua própria força.

A intenção é que pelo menos o gerador do reator nuclear gerasse energia para manter o funcionamento das bombas de água que fazia parte do sistema de segurança.

Esse teste já teria sido aplicado em outras turbinas e no momento que a rotação do núcleo diminua, o gerador não teve capacidade de manter energia para os sistemas de segurança, então nesse momento foi o primeiro erro.

Os operadores realizaram melhorias nesse momento de gerar energia e os testes precisavam ser refeitos.

A grande verdade sobre o acidente de Chernobyl é que a falta de paciência matou e feriu para sempre a humanidade. Pois a potência de saída que deveria ser utilizada no reator deveria ser alterada e reduzida de 3,2 GW para 700 MW quase 2,5 GW de diferença. Porém não foi o que aconteceu.

Os operadores devido a demorar para começar a experiência não reduziram a potência aos poucos. E sim em maior velocidade, o que fez a potência reduzir muito mais do que deveria ficando em apenas 30 MW.

Então com esse erro de cálculo e falta de paciência a concentração aumentou de nêutrons absorvendo o produto da fissão que é o xênon-135.

O que ocorreu dentro do reator minuto a minuto

Os níveis de segurança são escolhidos por escalas, e a do gerador 4 estava atingindo a potência máxima permitida. Porém os gerentes de operação resolveram que não era necessário desligar o reator e sim continuar o teste.

Foi então aumentada a potência para 200MW o que não ocorreu bem fazendo o reator reagir fora dos padrões de segurança.

Então por volta das 1:05 am de 26 de abril as bombas de água que são alimentadas pelo reator foram ativadas para tentar reverter algum quadro. Porém o fluxo de água que foi gerado foi acima do que os níveis de segurança permitiam.

Esse volume aumentos ás 1:19 pois a água também absorve nêutrons e acabou aumentando o seu volume. Então esse ocorrido deixou todo o sistema muito instável e perigoso.

Já eram 1:23 e a água das bombas que serviam para o resfriamento começou a sublimar criando uma perigosa pressão. Acredita-se que nem mesmo os operadores estavam cientes de tamanha gravidade.

Nesse mesmo período foi acionado o botão de desligamento total do sistema, mas não se sabe o porquê, pois mesmo com a condição perigosa o teste continuaria a ser feito.

Essa parada total provocou aceleramento da velocidade de reação do reator. Com o calor aumentando e da energia, hastes de controle foram deformadas prejudicando o sistema.

Eram quase 1:24 quando a potência do reator aumentou para 30GW o que seria dez vezes mais do que a potência normal de saída. Assim o calor começou a derreter tudo na usina e com a pressão da água ocorreu a explosão.

Há muita controversa em relação ao assunto, pois são diversos relatos de testemunhas sobre o ocorrido.

Consequências do desastre de Chernobyl

A força da energia e do calor foram de tamanha grandeza que o incêndio durou cerca de nove dias. Assim somente em 4 de maio de 1986 ele foi contido.

Toda essa explosão gerou uma pluma hidrodinâmica, que nada mais é que uma grande nuvem condensada de algo. Então nesse caso o “algo” eram produtos da fissão nuclear. Assim esses produtos são as cinzas, restos atômicos mais conhecidos como lixo nuclear.

Essa pluma se espalhou pela União soviética e Europa central e que através da chuva caiu nessas regiões. Essa radiação espalhada no local também foi transporta através da fissão, causando chuva tóxicas por onde passou.

Há muita especulação quando o assunto é número da tragédia pois há mortos do dia do acidente e os que morreram posteriormente devido a exposição à radiação.

Sabe-se que durante a explosão do vapor, por causa do superaquecimento, ocorreu duas mortes, possivelmente dos operários da usina. Não se sabe se as mortes foram pela explosão ou pelo contato com doses letais de radiação.

Depois do ocorrido, nas próximas semanas, foram registrados 134 militares hospitalizados por problemas de SAR.

O SAR significa síndrome agua de radiação, esse estado leva o indivíduo a ter náuseas nas primeiras 24h, e pode haver até mesmo alteração de DNA. Além disso é comum ocorrer degradação do sistema celular, e mesmo que não apareça os sintomas dentro das primeiras horas, ele pode ressurgir, meses depois em forma de câncer.

Assim ocorreu aos afetados no acidente de Chernobyl, foram 28 mortes meses depois de funcionários, bombeiros, policiais, devido ao SAR.

Infelizmente as consequências não pararam e dez anos depois do acidente, mais 14 mortes ocorreram dentro desse grupo de 134 militares. Contudo, a população também sofreu com a explosão radioativa. Assim foram registradas 15 mortes infantis por câncer de tireoide até 2011.

Números de mortes é controverso do acidente de Chernobyl

Não há um número exato de vítimas e muito menos se isso vai para, mesmo que já se passem mais de 30 anos é possível que aqueles que tiveram contato com a radiação sofram ainda consequências.

Resumindo os números da tragédia:

  • 2 operários na explosão;
  • 14 militares afetados pela radiação;
  • 15 crianças por câncer;
  • 19 outras mortes de acordo com números extra oficiais divulgados pela ONU;
  • Porém o número pode ser gigantesco, diversas agencias russa afirmar que mais de 800 mil pessoas trabalharam na limpeza da região e que cerca de 100 a 125 mil podem ter morrido até 2005.

Chernobyl atualmente

Atualmente o local é controlado pelo exército. Há um sistema tipo imigração para entrar na área. O local só pode ser acessado com empresas credenciadas de tour.

É disponibilizado o aluguel de medidores de radiação para que o visitante saiba o quanto recebeu de radiação.

A região tem as maiores usinas do mundo e também os melhores locais para o resfriamento através da água. Pripyat virou uma cidade fantasma e é apenas visita por turista sempre supervisionados.

Uma união de falta de qualificação de operadores, falta de paciência e busca por poder fizeram ocorrer a maior tragédia no mundo no acidente de Chernobyl.

Posts recentes